Foi apresentado no último Congresso Americano de Dermatologia um estudo clínico recente que mostrou que o uso tópico de hormônio pode ser uma poderosa arma no combate às lesões causadas pela acne.

O creme inédito, desenvolvido na Itália por um grupo de pesquisadores do Cosmo Farmacêutica e Terapêutica Intrepid, é feito com 1% do hormônio cortexolone 17 α-propionato de etilo e capaz de agir como uma espécie de adversário seletivo do hormônio androgênio para impedir que ele desencadeie as inflamações que dão origem às espinhas.

Foram selecionados 77 voluntários que se dividiram em três grupos.

Primeiro – as pessoas utilizaram o hormônio estudado;

Segundo – as pessoas se trataram com o ácido retinoico (também conhecido como tretinoína); e

Terceiro – foi utilizado placebo (substância que simula um remédio).

Os tratamentos duraram cerca de 8 semanas.

Leia também:

Saiba o que fazer contra o inchaço

Ecobags, as bolsas ecológicas na moda

Os sapatos com lacinho

Não foi diagnosticada nenhuma reação adversa – nem local, nem endocrinológica – nas pessoas que fizeram uso do hormônio ao final do estudo.

“A substância em formato de creme foi mais eficaz no combate à acne e mais tolerada pelos organismos dos voluntários do que a formulação feita à base de ácido retinoico. No entanto, as diferenças não alcançaram uma grande significância estatística”, falou Adriano Almeida, dermatologista especialista em Medicina Estética e professor da pós-graduação em dermatologia da Fundação Pele Saudável.

Soluções já no mercado 

 O creme feito com o hormônio cortexolone 17 ainda está em fase de experimentação e não está livre para o consumo por enquanto, muito menos disponível no mercado, mas esse tempo de espera não deve durar muito.

“Existe uma chance de o método terapêutico chegar ao mercado, mas ainda faltam estudos para que isso realmente aconteça. No entanto, por se tratar do combate a uma doença com incidência muito grande na população, qualquer tratamento que seja eficaz e bem tolerado pelos pacientes é sempre bem-vindo”, comenta Adriano.

Passando por avaliação

Pelo fato do hormônio ainda estar passando por pesquisas sobre seu uso utópico, as possíveis contraindicações e efeitos colaterais da substância ainda não foram estabelecidas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *